quarta-feira, novembro 24, 2004

6. "Não chores porque já terminou, sorri porque aconteceu" Gabriel Garcia Márquez

Vivem-se os últimos dias de Primavera... as esplanadas estão repletas de turistas e o calor acentua-se com o meio da tarde.
Um vulto sentado numa das inúmeras mesas de um bar decorado ao delicioso estilo irish... suspira!! O sino ao fundo, junto ao balcão recolhido no seu silêncio... balança suavemente... e é o sotaque inglês, aqui e ali... que quebra a monotonia!
O dia a findar... e de pernas cruzadas, numa atitude displicente, olhar perdido no nada... lá estás tu! Sorriso no rosto, a imperial a meio, um cigarro entre os dedos compridos de uma mão que há muito se esqueceu das emoções despertadas no simples acto de tocar... Agarras as palavras que vão surgindo na conversa banal que manténs, sacodes as verdades e recordas, entre dois minutos, como foi respirar... acariciar... amar... e afinal... tão somente viver!!
Quase sem teres noção do que sucede ergues-te da cadeira e caminhas rumo ao rio... olhas as águas outrora límpidas, agora, tão somente, calmas... e num movimento quase imperceptível da tua cabeça negas a imensidão do que te faz sentir... porque para ti já nada faz sentido... pois não?! Terás esquecido que o dia apenas chega ao fim?! Julgarás, tu, que amanhã o sol não surgirá resplandecente no horizonte!?

O movimento dos ponteiros do relógio é-te indiferente... agora que finalmente avalias o seu movimento passado...
A tarde esvai-se... chega a noite...
As mãos nos bolsos…o passo firme... como se há muito tivesses traçado o teu trajecto... e os olhos?! Os olhos vagos... focando um ponto impreciso para lá do horizonte... Pensas... recordas... analisas e nesse momento, pleno de agonia e insatisfação, a lua... companheira... amiga... amante mágica das noites solitárias abraça-te... incendeia-te e faz brotar do mais fundo da tua essência aquele sorriso... de quem já viveu... de quem já morreu mas ao invés de lamentar os momentos passados... apenas os relembra com a candura e a sabedoria dos que adquiriram o dom de transformar os ditos pesadelos no mais doce dos sonhos!!!
Ergues o rosto... alargas o sorriso... e num rompante dás-te conta que, afinal, a teu lado caminham milhões... milhões de vultos... outrora corpos... Dás-te conta!!! Sim!! Morreste... não há que derramar lágrimas, viveste!!

Os minutos passaram por ti...
Na manhã seguinte o leito branco foi invadido pelos doces raios de sol... e entre pensamentos tardios mas precisos de quem já suspirou pela última vez... finalmente é-te possível... prosseguir a tua viagem… interminável... e contemplar alegremente o que de novo se avizinha na tua nova existência!!

Morreste para renascer...

1 comentário:

João Tiago Ogando disse...

Gabriel Garcia Marquez é fundamental... li o livro "O Amor nos tempos da Cólera" numa altura muito dificil da minha vida, e foi um suplicio lê-lo...
Costumo dizer que "Amanhã o sol nasce outra vez", e uma amiga disse-me um dia uma frase que me fez pensar e que realmente é verdade "Não tenho saudades porque estou longe, mas sim porque um dia estive perto..."
Grandes textos....